domingo, 26 de agosto de 2007

Dante XXI - Sepultura


Hoje vou postar a resenha que fiz do álbum Dante XXI, do Sepultura. Fica aí a dica para todos.

Desde quando foi anunciado que o novo álbum do Sepultura seria baseado no livro “A Divina Comédia”, de Dante Alighieri, fiquei com esperança de que viria algo mais pesado e mais direto e ao mesmo tempo mais obscuro. O fato de trabalharem em parceria com o André Moraes (com quem a banda trabalhara em trilhas sonoras de filmes) também alimentava as expectativas. Toda a idéia de utilizar instrumentos de orquestra parecia muito interessante.

Dante XXI não é um retorno ao Thrash Metal. Quem estiver à espera disso, pode desistir. Quem tem implicância e preconceito com a atual fase da banda, ou simplesmente não curte o vocal do Derrick, também é bom desistir.

Afirmo, com toda a certeza, que se trata de um dos cinco melhores álbuns da banda. É o melhor desde o Chaos A.D., o melhor da “era Derrick”. A banda mais uma vez inova seu som, busca algo diferente, as músicas têm, realmente, uma sonoridade mais sombria, um clima mais obscuro. Enquanto que, concomitantemente, há uma volta do peso, das guitarras mais agressivas, dos riffs mais palhetados e o vocal do Derrick mais ríspido, algumas passagens remetem aos velhos tempos do Thrash Metal. A bateria do Igor está boa, nada excepcional, porém bem adequada às músicas. As letras estão espetaculares, trazem uma inteligente adaptação da obra clássica de Alighieri aos dias atuais, abordando os problemas sociais e políticos no século XXI, as guerras e as mazelas da humanidade. Bem na linha contestadora que o Sepultura já nos acostumou.

Assim como no livro, o disco é dividido em três partes. A primeira, o Inferno, conta com uma intro e cinco músicas. É a parte mais agressiva, mais direta, onde se nota uma pegada mais Thrash da banda. As músicas são mais pesadas e agressivas. A segunda é o Purgatório, que conta com mais cinco músicas e duas intros. Nesta seção, encontram-se as composições mais trabalhadas, mais inovadoras. Entram os instrumentos de orquestra, como trompa, trompetes, piano, violino e violoncelo, que dão uma cara diferente e se encaixam perfeitamente no estilo que o Sepultura se propôs a fazer e na idéia que gira em torno do álbum. O Paraíso é a última parte, além de uma intro, tem apenas uma música instrumental (“Still Flame”). Uma composição bem diferente de tudo o que o Sepultura já havia feito anteriormente, vários instrumentos inusitados para o estilo da banda, fecha o álbum com maestria.

As faixas que mais se destacam são “Convicted in Life” (primeiro single, contando com um vídeo-clipe fantástico), “City of Dis”, “False”, “Ostia”, “Buried Words”, “Nuclear Seven” e “Crown and Miter”. Mas a que chama mais atenção, na minha opinião, é “Ostia”. Uma bela composição, podendo ser considerada uma síntese de todo o álbum, pesada, sombria, épica e muito bem harmonizada com os instrumentos de orquestra. A parte do solo de violoncelo com um piano ao fundo é emocionante, o ponto mais marcante de todo o disco.

Dante XXI mostra a todo mundo que o Sepultura está vivo e ativo. Demonstra uma banda criativa e inspirada. É, indubitavelmente, um grande álbum.

2 comentários:

*regina disse...

minha m�sica preferida desse �lbum � city of dis... fant�stica. um beij�o, regiane.

Paulo Peterson disse...

Gostei muito desse disco, só espero que o Sepultura, ao vivo, volte a tocar como na época do ARISE, com palhetada, nada de medley e músicas rápida.

Abs